maggbahia@hotmail.com

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Rio tem renda per capita alta e 350 mil pessoas vivendo na miséria, mostra estudo do Ipea.



Um estudo divulgado ontem (14) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou que o estado do Rio convive com indicadores extremos. Ao mesmo tempo em que possui a terceira melhor renda domiciliar per capitado país, bem acima da média nacional, também abriga uma multidão de pessoas vivendo na linha da extrema pobreza.

O estudo Situação Social nos Estados foi apresentado pelo presidente do Ipea, Marcio Pochmann, e trouxe uma série de dados consolidados sobre o Rio, a maior parte obtida a partir da Pesquisa Nacional por Amostrar de Domicílios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PNAD/IBGE).

Os dados compreendem o período entre os anos de 2001 e 2009, intervalo que registrou crescimento na renda domiciliar per capita no estado de R$ 698 para R$ 835, enquanto no país o aumento foi de R$ 511 para R$ 631.

No período de nove anos, o aumento ajudou a reduzir em 45% o número de pessoas vivendo com menos de R$ 70 mensais, ou cerca de R$ 2 por dia, limite estabelecido pelo governo federal para delimitar a linha da extrema pobreza. Em 2001, 4% da população fluminense estava em situação de extrema pobreza, número que caiu para 2,2% em 2009, o que significa que, apesar da melhora expressiva, 351 mil pessoas ainda sobrevivem com apenas R$ 2 por dia no estado, que possui 15,9 milhões de habitantes.

“De maneira geral, os indicadores sociais melhoraram, ainda que não no mesmo sentido verificado no Brasil. Ao mesmo tempo, se percebem especificidades no Rio, um estado rico, mas que não vem apresentando a mesma queda na redução das desigualdades que se observa no país”, avaliou Pochmann.

Outro item abordado no estudo do Ipea foi a questão demográfica. A taxa de fecundidade no estado do Rio é uma das menores do país e vem caindo a cada ano. Em 2001 era registrado 1,92 filho por mulher, número que passou para 1,70 em 2009. No mesmo período, o Brasil registrava 2,22 filhos por mulher, em 2001, e 1,9 em 2007. Pochmann ressaltou que a taxa de reposição populacional, para que haja apenas estabilidade no número de habitantes, é de 2,1 filhos por mulher. Abaixo disso, registra-se redução. Segundo ele, se a tendência persistir, por volta do ano de 2025 o Rio estará regredindo na quantidade populacional.

“O Rio está chegando a um determinado momento em que sua população não vai crescer mais em termos absolutos. Pode inclusive regredir.” Os dados completos da pesquisa – que também abordou aspectos como previdência, educação, saneamento, habitação e cultura – podem ser encontrados no link do estudo na página do Ipea.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não seja deselegante, utilize-se do seu espaço com dignidade.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.