maggbahia@hotmail.com

segunda-feira, 22 de abril de 2013

DIA NACIONAL DO CHORO - VENHA COMEMORAR AMANHÃ, 23 de abril


O Dia Nacional do Choro é comemorado em 23 de abril, em homenagem à data de nascimento de Pixinguinha, uma das figuras exponenciais da música popular brasileira, e em especial do choro. 

O choro entra na cena musical brasileira em meados e finais do século 19, e nesse período se destacam Callado, Anacleto de Medeiros, Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth. Inicialmente, o gênero mesclava elementos da música africana e européia e era executado principalmente por funcionários públicos, instrumentistas das bandas militares e operários têxteis. Segundo José Ramos Tinhorão, o termo choro resultaria dos sons plangentes, graves (baixaria) das modulações que os violonistas exercitavam a partir das passagens de polcas que lhes transmitiam os cavaquinistas, que induziam a uma sensação de melancolia.
O século 20 traria uma grande leva de chorões, compositores, instrumentistas, arranjadores, e entre eles, com destaque, Pixinguinha.

Dia Nacional do Choro em Belo Horizonte

23 DE ABRIL

Local: GRANDE TEATRO SESC PALLADIUM - Rua Rio de Janeiro, 1.046 - Centro
Acesso gratuito mediante retirada de ingresso no local a partir de 1 hora antes da abertura da portaria.
20h30 - Clube do Choro de Belo Horizonte e convidados: Especial Dia Nacional do Choro

24 DE ABRIL
Local: DALVA BOTEQUIM MUSICAL - Rua Ceará, 1.568 - Funcionários
19h - Grupo Choro Nosso

25 DE ABRIL
Local: BAR DO BOLÃO - Rua Vila Rica, 637 - Padre Eustáquio
19h - Clube do Choro de Belo Horizonte

26 DE ABRIL
Local: PEDACINHOS DO CÉU - Rua Belmiro Braga, 774 - Caiçara
20h - Grupo Pedacinhos do Céu

27 DE ABRIL

Local: FEIRA TOM JOBIM - Av. Carandaí, esq. com Av. Brasil - Funcionários
12h - Ausier Vinícius
14h - Trio Minas Instrumental - Silvio Carlos (Violonista de 7 cordas), Warley Henrique (Cavaquinista) e Ricardo Acácio (percussão)

28 DE ABRIL
Local: LIVRARIA STATUS - Rua Pernambuco, 1.150 - Savassi
11h - Clube do Choro de Belo Horizonte

Dia Nacional do Choro no Arpoador

23/04/2013 - Em sua segunda edição, este ano o "Choro no Arpoador", vem com a proposta de criar a Orquestra Carioca de Choro

Além do feriado de São Jorge, na terça-feira, 23 de abril, é Dia Nacional do Choro. Esse ano, para comemorar em grande estilo, a cidade do Rio de Janeiro ganha a Orquestra Carioca de Choro (OCC), que fará o seu primeiro concerto no Parque Garota de Ipanema, no Arpoador. A abertura será às 11 horas, com o Época de Ouro, primeiro conjunto de Choro fundado em 1964 por Jacob do Bandolim. E às 13h30 entra a Orquestra. 
Entrada Franca.

O Dia Nacional do Choro foi instituído em 2000, em homenagem ao aniversário de Pixinguinha. Compositor, instrumentista, maestro e considerado um dos maiores gênios da música brasileira, Pixinguinha deixou joias musicais como “Carinhoso”, “Vou Vivendo”, “Lamentos”, “Rosa”, “Um a Zero”, entre outras, que farão parte do repertório que incluirá Jacob do Bandolim, Ernesto Nazareth, além de compositores contemporâneos no gênero como Paulinho da Viola e de alguns integrantes da nova Orquestra de Choro.

A Orquestra - A Orquestra Carioca de Choro reúne alguns expoentes da música instrumental brasileira. A base é formada por Jorge Simas (violão de 7 cordas), Tiago Machado (violão), Alceu Maia (cavaquinho), Diego Zangado (bateria) e Zé Luiz Maia (contrabaixo). E os solistas são Dirceu Leite (sopros), Kiko Horta (acordeon), Marlon Sette (trombone) e Afonso Machado (bandolim, arranjos e direção musical). A orquestra veio para nova forma de interpretar o choro. O virtuosismo dos instrumentistas, bem como a capacidade de improvisação dos executantes, é a característica frequentemente apreciada no Choro.

A concepção de formar a OCC é dos músicos Afonso Machado, Jorge Simas e do produtor cultural Didu Nogueira para homenagear a esse ritmo brasileiríssimo que nasceu no Rio de Janeiro e é o mais carioca dos estilos musicais. “A Orquestra tem uma formação “all stars”, com virtuosos em cada instrumento usado no gênero”, informa diretor do espetáculo, Didu Nogueira. Ver o perfil de cada componente.

Época de Ouro - O Conjunto participou de diversos espetáculos e gravou vários discos, entre eles “Vibrações”, premiado com o melhor disco instrumental de 1967. Com o falecimento de Jacob do Bandolim, em 13 de agosto de 1969, alguns compromissos foram adiados e desde esta data até 1972 o conjunto não se apresentou. O Época de Ouro retomou suas atividades em 1973 a convite de Paulinho da Viola para participar do espetáculo Sarau, no Teatro da Lagoa. A partir daí não parou. Até os dias atuais, o Época, seus componentes junto com Jacob do Bandolim, chegam a marca de mais de 40 discos gravados. 
Gravou com Paulinho da Viola, Cristóvão Bastos, Maestro Severino Araújo, Marisa Monte, Elba Ramalho, Ivan Lins, João Bosco, Matinho da Vila, Leila Pinheiro, Beth Carvalho, Zeca Pagodinho, Ney Mato Grosso, Mosca, Arlindo Cruz e Sombrinha, entre outros.
O espetáculo conta com o patrocínio do Governo do Estado do Rio de Janeiro e apoios da Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro e da Subprefeitura da Zona Sul. Para participar com tranquilidade, a produção sugere que o público leve cadeiras de praia para melhor se acomodar e poder assistir aos concertos.

Dia Nacional do Choro
Atrações: Época de Ouro e Orquestra Carioca de Choro (CCO)
Data: 23 de abril (terça-feira)
Horário: a partir das 11h
Local: Parque Garota de Ipanema (Arpoador)
Entrada franca 

Casarão Ameno Resedá

21:00h
Tributo a Chiquinha Gonzaga, Ernesto Nazareth, Pixinguinha e Jacob do Bandolim. 
O show será comandado pelos músicos Andrea Ernest Dias, Maria Tereza Madeira, Mario Seve, Rodrigo Lessa, Oscar Bolão e Pedro Aune, que apresentarão um repertório variado com grandes sucessos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não seja deselegante, utilize-se do seu espaço com dignidade.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.